sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

RESENHA: JOGADOR Nº 1

OLÁ, SERES! Olha só, parece que dessa vez estou realmente conseguindo seguir minha agenda planejada, hein? Isso é um bom sinal, HA! Bom, como disse no post de lidos do mês (aqui), hoje eu vim trazer a primeira resenha do ano. O livro é nada mais, nada menos, que minha última leitura: Jogador Nº 1, de Ernest Cline.

Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada OASIS. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em OASIS. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência.
Já fazia uns bons meses que estava querendo ler este livro e, dizem que, quando a expectativa é muito alta, temos a tendência de nos desapontar, não é mesmo? Pois venho aqui acabar de uma vez por todas com essa teoria (pelo menos para esse livro): todas as minhas expectativas foram saciadas e, incrivelmente, o livro foi melhor do que eu imaginava.

A leitura começa com um prólogo introduzindo as coisas mais importantes do enredo: a morte de James Halliday, o famoso criador do OASIS (uma plataforma virtual), e o anúncio de seu concurso para encontrar o Easter Egg dentro do programa – cujo premiado levaria toda a sua fortuna e passaria comandá-lo. Para encontrá-lo, os avatares participantes (caça-ovos) deverão, primeiramente, desvendar um enigma; este os guiarão para encontrar uma chave escondida em um dos vários mundos no meio de diversos setores que o OASIS dispõe e, então, encontrar e passar pelo portão cuja chave pertence (também passando por outro enigma). Ao todo são três chaves e três portões antes de encontrar o prêmio.

Já nesse início conseguimos ter um pouco do gostinho de como a descrição do autor é precisa, dando-nos informações o bastante para nos ajudar a construir as imagens conforme lemos.


Algo bom de ser lembrado é que, apesar do livro se passar em uma sociedade futurística e decadente, no ano de 2044, este definitivamente não é o foco do livro. A maior parte do enredo trata-se sobre o que acontece no OASIS e na caça ao tesouro, que – como podemos notar logo no começo do livro – esteve parada por anos até o momento em que Wade Watts finalmente desvenda o enigma e encontra a primeira chave (Chave de Bronze), dando início a uma corrida.

Referências de livros, filmes, séries e música do final da década de 70 aos anos 80 não faltam. E, obviamente, aos videogames, computadores e até mesmo RPGs de mesa também não. Pode ser bastante difícil acompanhar o raciocínio do protagonista enquanto ele tenta desvendar os enigmas que o guiarão às chaves e aos portões, todos envolvendo as mais diversas coisas que o criador da plataforma gostava, mas torna-se incrivelmente interessante (e didático) a maneira como ele explica tudo de maneira a se fazer entender e, consequentemente, fazer os leitores se interarem.

Conhecidos como Os Cinco do Topo, os avatares Parzival (Wade), Art3mis, Aech, Daito e Shoto são os primeiros colocados no Placar (disponível no site do Halliday) conforme eles encontram a primeira chave e ultrapassam o primeiro portão.  No entanto, nem tudo é tão fácil: além da caça e da possibilidade de outros jogadores tentando alcançá-los, os cinco tem de se preocupar com um grupo, os Seis, que é composto por avatares de funcionários de uma indústria (IOI, Innovative Online Industries) que está disposta a ganhar o concurso e tornar a plataforma inacessível para o mundo todo – tornando-a paga com taxas mensais. Mas isso não é tudo, corre pelos caça-ovos que eles pretendem impedir a liberdade dos assinantes de fazerem o que quiserem e terem suas identidades em segredo, como já estão acostumados.

O grande problema dos Seis é: eles estão dispostos a jogar sujo. Halliday, ao anunciar o concurso, não criou “regras” a serem cumpridas. O objetivo é claro: encontre o ovo e terás o prêmio, o que torna bem difícil de impedir uma indústria de tomá-lo e arruinar a vida de muitos. Eles não são um perigo apenas online, como também offline – eles estão mesmo dispostos a ganharem, custe o que custar... Ainda mais se o custo for a vida de alguma pessoa que controle um avatar que está atrapalhando seu progresso, então tirá-la de jogo soa bastante útil.


Cheio de reviravoltas e momentos que dá vontade de fechar o livro (tamanho o estresse que passamos junto do personagem), Jogador Nº 1 é uma história que, para os amantes de cultura pop, pode vir a se tornar extremamente especial. Recomenda-se a leitura se você gosta muito disso, pois boa parte de sua composição está diretamente ligada a videogames e realidades virtuais, então quem não gostar muito, pode não ser uma boa pedida.

JOGADOR Nº 1, Ernest Cline
LeYa Editora, 2012
★★★★★

Prós: enredo bem desenvolvido, diversas referências bem mencionadas, descrições extremamente bem feitas, personagens principais diferentes uns dos outros (e ao mesmo tempo parecidos), foco maior na plataforma virtual (mas com algumas lições que demonstram a importância da realidade).

Contras: o romance que há entre dois dos personagens pode ser bem cansativo durante o meio do livro, algumas partes da narrativa tornam-se um pouco maçantes se lidas por várias horas seguidas.

Apesar dos pequenos contras, ainda assim não consegui diminuir a nota (pois não tem como descrever esse livro com outra palavra a não ser “ótimo” ou adjetivos ainda melhores). A propósito, sei que “foco maior na plataforma virtual” é um pró para mim e um contra para aqueles que gostam de distopias mais ‘realistas’, ou que gostam de saber ‘como o mundo está’, então depende bastante do ponto do seu ponto de vista. Obrigada, Mateus, por ter discutido sobre o livro comigo, me ajudando a ter uma noção de o que destacar na resenha.

Então, por hoje é isso! E não vamos nos esquecer que a adaptação cinematográfica (IMDB) está agendada para 14 de Dezembro de 2016 (aqui no Brasil), sob a direção de ninguém menos que Steven Spielberg, e com Olivia Cooke (Bates Motel e Eu, Você e a Garota que vai Morrer) no elenco!

JÁ LEU OU QUER LER?
DEIXE SUA OPINIÃO NOS COMENTÁRIOS!

21 comentários:

  1. Olá!

    Achei esse livro bem geek. Bem legal, apesar de não ser meu gênero literário favorito. Eu leria pra sair da zona de conforto.

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi vamos me dar esse livro porque a tempos eu quero kkkkkk. Já queria e gata depois da sua resenha fiquei louco, talvez dei uma desanimada por conta do romance cansativo, mas nada demais.

    www.meninoliterario.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem?
    Esse é um livro que apesar de não fazer muito o meu estilo eu já ouvi tantos comentários SUPER positivos que tenho muita vontade e curiosidade de lê-lo (espero que isso aconteça em breve).
    Ps: A resenha ficou ótima as suas ponderações são bem pertinentes e nos dizem algo realmente importante sobre o livro.

    ✩ Voando Sem Peter ✩

    ResponderExcluir
  4. Olá

    A resenha ficou muito boa,não conhecia o livro,mas gostei da premissa,amo distopias é mesmo essa sendo um pouco diferente do que geralmente leio,chamou minha atenção e que legal que já no final do ano sai o filme.

    Bjss

    ResponderExcluir
  5. Oi Hels!
    Adorei a resenha. Confesso que eu sempre fico em dúvida sobre se quero ou não fazer a leitura desse livro. Já tentei até persuadir pessoas a comprarem ele para eu poder pedir emprestado depois, acredite! rs
    Um ponto de vista muito interessante que você colocou que, acho, acabou de vez com a minha dúvida foi sobre as referências de cultura pop relacionadas a games e tudo mais. Acho que ficaria bem perdida e isso influenciaria no meu interesse da leitura.
    Bjs*.*
    MaH

    O que disse, Alice?

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bom?
    Só ouço comentários positivos a respeito desse livro, principalmente em grupos de leitura no facebook. Porém a premissa não faz "meu tipo" e eu me perderia na história. Acho que esse livro não funcionaria muito bem pra mim.
    Beijos, http://lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Hels, tudo bem
    Eu tenho esse livro na minha lista de desejados faz tempo, mas acabo esquecendo e comprando outros na frente. Eu sou muito curiosa, então, quero saber porque ele resolveu fazer esse concurso e entregar seu jogo para um estranho. Fiquei super empolgada quando citou esse grupo empresarial que está disposto a tudo, acho que irá render muitas cenas tensas e de ação. Não vejo a hora de ler. Gostei muito da sua resenha.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Poxa, fiquei bem animada pra ler, principalmente pelas referências que ele traz. Claro que a premissa é importante e talz mas ele MW ganhou com as referências, tem até RPG *.*
    A única coisa que me incomodou foi o romance presente na trama...

    ResponderExcluir
  9. Me chamou a atenção, gostei muito da premissa, ate mesmo por saber que virará uma adaptação cinematográfica, será que consigo correr antes com a leitura?

    Beijos
    http://devoreumlivrooufilme.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  10. Hello! Tudo bem?

    Livro novo para mim, não conhecia o Jogador Nº 1 de Ernest Cline e achei a historia muito boa, cheia de ação, misterios e a escrita elo jeito é mto boa e te viciou.
    As referencias achei bacana tb, acho que pra mim q sou de 80 vou ficar louca com tudo. Mas o bom que o autor explica, entao ficaria mais facil entender.
    Vaeu pela dica.
    Beijos!

    LIVROS E SUSHI - https://livrosesushi.wordpress.com

    ResponderExcluir
  11. Oiiii!

    Eu não li ainda esse livro mas já queria faz tempo! Acredito que algumas obras não precisam ter necessariamente um romance justamente por ficar cansativos e chatos. Mas o lado bom de tudo é que não tirou o brilho da história ;)

    A resenha está ótima!!!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Sempre leio ótimos comentários sobre esse livro e a minha curiosidade só aumenta. A história me atrai e muito. Romances nesses tipos de livros para mim são desnecessários haha.. são meio forçados por ficarem em segundo plano, então acaba sendo cansativos.
    Espero não demorar mais para conferir esse livro que tem tudo para me agradar também!

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br//

    ResponderExcluir
  13. Oi. apesar de apreciar algumas das referências que o livro faz, ele me parece um pouco confuso, cheio de informações que me deixariam confusa. Não estou num momento para este tipo de leitura, mesmo apreciando, posso até estar enganada, pois não conhecia o livro, mas a sensação de confusão que me causou foi o necessário para adiar uma possível leitura.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Nossa.. o livro pareceu ter 11513584 informações e eu não absorvi muitas... hahhahaha Ele tem uma carinha de distopia teen que dá aquele nervoso no olho sabe, acho que leio tantas resenhas de distopias com esse romance morno que acabo cansando..
    No entanto, sua resenha ficou muito boa, tirando esse parte de informações demais. Sua escrita é boa mesmo!
    bjss
    http://umavidaliteraria1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Nossa... eu nao conhecia esse livro e simplesmente adorei!!!
    Gostei muito da capa e da sua opiniao.
    Curto muito distopias por isso me interessei e já anotei o nome aqui pra procurar mais sobre.

    beijos
    Mayara
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  16. Olá Hels!
    Lembro quando a editora fez uma campanha para escolher a capa
    desse livro, e na época já fiquei interessada, amo livros com mistérios,
    perseguições e enigmas haha
    Amei a sua resenha, me deixou mais curiosa ainda quanto ao enredo!

    Um beijo!
    Ana | Blog Entre Páginas
    www.entrepaginas.com.br

    ResponderExcluir
  17. Olá, Hels!
    Ahh adorei sua resenha! Fiquei ainda com mais vontade de ler! Esse livro parece ser incrível e muito empolgante! Quero!
    Beijos, Garota Vermelha
    www.livrosdagarotavermelha.wordpress.com

    ResponderExcluir
  18. Oie, tudo bom?
    Tenho a impressão de que se eu ler esse livro, vou gostar muito. Sempre vejo comentários positivos desse livro nos blogs e canais literários, mas não lembro de ter lido nenhuma resenha dele. Gostei da parte de ter cultura pop inserida na narrativa.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá, Hels. Já achava que esse livro parecia ser bom, depois de sua resenha tive essa confirmação. Adoro livros de caça ao tesouro, juntando com distopia deve ser maravilhoso. Já fiquei ansiosa pela adaptação, Steven é o mestre.

    ResponderExcluir
  20. Má oeee! Este é um dos livros preferidos do Danilo (Leitor Numero 1),não tenho duvidas de que seja muuito boom,que bom que ce gostou ,é provavel que seja uma das minhas proximas compras. Abraço!

    ResponderExcluir
  21. Gostei do livro, se alguém me desse eu leria, mas não sei se eu compraria ele.
    palavrasdelucidez.com.br
    Lucas Castelo Viana

    ResponderExcluir